1650 – Exportação de vinho pela barra de Viana, juntamente com outro produzido na freguesia de Refóios de Lima e no concelho de Monção.

1875 – O Visconde de Villa Maior, no seu "Manual de Viticultura Prática", refere a casta cainho branco como sendo só conhecida no Minho.

1888 – Menção Honrosa ao vinho da Quinta da Guarda, então propriedade de Joaquim Caetano Cunha Pereira Leones, na Exposição Industrial realizada no Porto em 1888.

1889 – Selecção de vinhos para participação na Exposição Industrial de Berlim, Alemanha

1892 – Fundação da Escola Prática de Agricultura de Ponte de Lima, na Quinta das Cruzes, pelo Rei D. Carlos I, dirigida pelo agrónomo aposentado, Manuel do Carmo Rodrigues de Moraes (1845-1909), seu proprietário. Os objectivos desta unidade formativa baseavam-se na necessidade de formar capatazes, feitores e “beneficiar os vinhos para exportação e aperfeiçoamento da indústria dos lacticínios, que já aqui existe mas estão em estado primitivo (…) e a ter um posto hípico e mais reprodutores de outras raças pecuárias como a bovina, quer para a engorda, quer para a produção de carne".

1909 – No seu livro  "Viticultura Prática Portuguesa", publicado em 1907 pelo acima referido agrónomo, é registada a casta branca chamada Caínho de Moreira ou Alvarinhão. Quanto ao vinho Alvarinho, o autor refere que essa casta “ se não é a mesma … que a cainho de Moreira do Lima, forma com esta e o galleguinho três variações da mesma casta “.

1997 – Reestruturação das vinhas da Casa da Cuca.

2016 – Medalha de Ouro na Feira do Vinho Verde em Ponte de Lima atribuída ao vinho  "Da Cuquinha", na categoria de vinhos verdes brancos.